sábado, 5 de setembro de 2015

Cidade Cinza


Noites em claro
Dias escuros
A tempestade nunca cessa
E o mundo nunca acaba
O céu está cinza
E o mundo em preto e branco com tons avermelhados
Cada gota que cai do céu é como um tiro disparado por um fuzil
Os raios são um aviso para um fim que nunca chega
E a loucura invade cada vez mais fundo em sua cabeça
O céu está cinza devido às bombas
Bombardeando nossos sonhos
Bombardeando nossa esperança
O céu cinzento faz alguns de seus sentidos falharem.
Sua visão distorcida lhe prega peças
E o tumulto generalizado penetra e se prende aos seus tímpanos
Você corre em busca de salvação
Mas as portas do céu estão trancadas
No entanto, as do inferno estão escancaradas.
Se escolher a opção errada, será chamado para sempre de covarde.
Entretanto, no céu só entra quem tem a Chave.
Cada decisão ou mesmo pensamento é discutido aí dentro por vários clones seus
Você busca formas de acabar com essa “assembleia geral”
Mas suas formas podem não ser aceitáveis pela sociedade
O que é a sociedade comparada a esse pandemônio?
Apenas alguns poucos neutrinos
Onde estão os guarda-chuvas desse mundo?
Para se proteger dessa chuva que fere e que mata
E a defesa antiaérea para parar os misseis?
Onde estão os balões e aviões?
Para subir acima das nuvens e encontrar o brilho do sol
Onde está todo mundo afinal?
Nada há nada além de uma cidade cinza
Cinza e vermelha.
Cinza, vermelha e sinistra.



Tiago da Silva Santos – 04/09/15