sábado, 21 de fevereiro de 2015

Castelo de lembranças

Como esquecer algo que foi tão real?
Algo que valeu a pena cada segundo?
Mas acabou. Não tem mais volta.
Tudo está perdido e a felicidade não se pode achar no fim do arco-iris
Nossos planos e desejos foram mortos.
Mortos pela mesma pessoa que disse "Sim"
Mortos mas não enterrados, pelo menos não por mim
Que revivo a cada segundo, sentindo o amor emanado e abandonado.
Entregamos nossas almas um ao outro
Vivemos incessantemente sem medo de amar
Não sabia que entregar o meu amor poderia um dia me machucar.
Mas se soubesse talvez entregaria mesmo assim, pois te amar não foi um erro
Erro foi acreditar que alguém poderia me amar de volta
E ser feliz não importando a distância,
Pois fomos felizes, a distância nunca foi um problema
 Para o amor não há distância
Construí um castelo de lembranças, fotos e sorrisos,
Mas o castelo ruiu e não sei o que fazer com os destroços.
O que faço com cada sorriso? Com cada lágrima que se transformou em risada?
O que fazer com cada 'eu te amo' que foi dito e tornou nossos dias mais felizes?
O que fazer com todas essas lembranças e alegrias que hoje tornaram-se lágrimas?
Lágrimas de quero mais.
Lágrimas de "isso não devia ter acontecido"
Lágrimas que molham mais que a chuva
Não é possível dormir a noite, pois cada vez que meus olhos se fecham, você aparece.
Seu sorriso carrega todo o pesar que posso aguentar
O momento que meu castelo veio abaixo invade meus sonhos como um pesadelo que não posso escapar
Estou perdido e com lembranças de alguém que já não me pertence
Desejando que todo esse sofrimento acabe e esse amor se perca ou cesse 
Para que um dia eu possa dormir sem te ver em cada sonho
Ou viver sem lembrar que um dia eu estive no paraíso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário