sábado, 14 de fevereiro de 2015

A liberdade como ato de vida


       A liberdade pode ser compreendida como uma ação constante, de quebra de correntes, essas que nos prendem aos mais diversos conceitos, dogmas e perspectivas de mundo. Como muito bem já disse Rosa Luxemburgo, quem não se movimenta certamente não sente as correntes que o prendem. Deste modo a pergunta que podemos nos fazer é: Como perceber  a gaiola em que estamos enclausurados ? Sinto dizer que isso não é tarefa simples para nenhum sujeito social, justamente porque desconstruir nossa percepção de "bem e mal" é doloroso e árduo, contudo pode ser renovador, como sangue que escorre para dar corpo a uma nova vida. 
    Estar livre é um estado de espírito, que é conquistado através da repetição do ato de emancipação, a cada dia, a cada hora e em cada segundo. Libertar-se das verdades absolutas do mundo é pré-requisito para a tal proeza deveras subjetiva. O sujeito que almeja ser livre, não deve ter medo do abismo, ele deve pelo contrário encarar o fundo, vislumbrar a imensidão do horizonte e ser capaz de ir além. Muito mais do que ir adiante ele deve também compreender o diferente, aquilo que foge de seu enquadramento moral. A partir dai, ele tem de ter a coragem de tornar-se o diferente, incorporar cores novas, formas inéditas e ser indubitavelmente único. A gaiola só é percebida quando compreendemos a diversidade (o já tão citado diferente), saímos então de nossa posição confortável de existência inquestionável e mergulhamos naquilo que não é a priori compreendido por nos, deste modo podemos dar o adeus as amarras, algemas, muros e cercas.
     Fosse na Idade Media não poderia se ter tal oportunidade, pois o horizonte de realidade era limitado á um pequeno vilarejo, de modo que não havia mundo além dos limites da cidade. Hoje vivemos no mundo moderno, banhados na globalização, de maneira que pode-se ter acesso a diversos tipos de informação. Então a liberdade é possível, acessível cada dia mais.Vale dizer que o conhecimento tem um papel elementar no processo de libertação de consciência, educação então é liberdade, liberdade é transformação, profunda, gradual e extensa. Ela começa na mente, toca o coração e nos faz ver a estrato social de outro modo.
     Se você leitor, não compreendeu nada do que eu disse, fique despreocupado, pois nem mesmo eu entendo tanto assim essas diversas letras juntas, tantas palavras intelectualizadas, tanta pompa! Tudo para dizer que para alcançar a liberdade é preciso querer, querer transformar, se jogar, revolucionar. Torna-se livre é então um ato politico, um ato de amor, tanto para consigo mesmo quanto para todos os seus iguais. Liberdade ! Aclamada por tantos homens, desejada por todos os mortais, inalcançável por tantas vezes e vislumbrada em toda existência humana serás tu possível ? Essa pergunta também me faço, muito embora tenha já dado os passos para tal fim. Eu também estou na busca, do veneno ou da cura, da liberdade utópica ou mera aventura. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário